Se conecte com a Deusa que há em você!

R$40,00

3x de R$13,33 sem juros Ver mais detalhes
Sucesso! Você tem frete grátis
Frete grátis a partir de R$250,00
Entregas para o CEP: Alterar CEP

“Ave ou demônio que negrejas!
Profeta, ou o que quer que sejas!
Cessa, ai, cessa! clamei, levantando-me, cessa!
Regressa ao temporal, regressa
À tua noite, deixa-me comigo.
Vai-te, não fique no meu casto abrigo
Pluma que lembre essa mentira tua.
Tira-me ao peito essas fatais
Garras que abrindo vão a minha dor já crua."
E o corvo disse: "Nunca mais".

E o corvo aí fica; ei-lo trepado
No branco mármore lavrado
Da antiga Palas; ei-lo imutável, ferrenho.
Parece, ao ver-lhe o duro cenho,
Um demônio sonhando. A luz caída
Do lampião sobre a ave aborrecida
No chão espraia a triste sombra; e, fora
Daquelas linhas funerais
Que flutuam no chão, a minha alma que chora
Não sai mais, nunca, nunca mais!

Broche maravilhoso de crânio de corvo envolto em uma moldura gótica. Peça inspirada no poema "O Corvo" de Edgar Allan Poe.